• 19 3702-2767
  • Rua Santa Cruz, 876 - Sala 123 - Limeira

Governo autorizou nesta quinta-feira 04 de abril o reajuste de até 6,31% nos medicamentos.

04 de abril de 2013

 

Brasília – Resolução da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (Cmed) publicada hoje (4) no Diário Oficial da União autoriza reajuste de até 6,31% nos preços dos remédios. As alterações valem para três grupos de medicamentos, definidos de acordo com o nível de participação de genéricos.

 

Na categoria com maior participação, em que os genéricos representam 20% ou mais do faturamento, o reajuste autorizado pode chegar ao teto de 6,31%. Para remédios com faturamento de genéricos entre 15% e 20%, o reajuste autorizado é de até 4,51%. Já entre medicamentos com menor participação de genéricos (faturamento menor que 15%), a Cmed autorizou um reajuste de até 2,7%.

 

No ano passado, o reajuste autorizado pelo governo para medicamentos vendidos em todo o país chegou a 5,85%.

 

O Sindicato das Indústrias Farmacêuticas do Estado de São Paulo (Sindusfarma) questionou os índices autorizados para medicamentos vendidos no país. Em nota, a entidade disse que o governo aplicou "um discutível cálculo de produtividade, que reduz o índice de reajuste e prejudica muitas empresas, ao impedi-las de repor o aumento de custos de produção do período."

 

Segundo a nota, desde 2011 a indústria farmacêutica enfrenta pressões de custo, sobretudo com pessoal, insumos e matérias-primas importadas, cujas cotações internacionais subiram no ano passado e ficaram mais elevadas por causa da desvalorização do real. “Até agora, o setor absorveu esse impacto mas, em contrapartida, experimentou queda de rentabilidade”, ressalta o sindicato.

 

No comunicado, a entidade destaca que, se todas as apresentações de medicamentos forem reajustadas pelos índices máximos autorizados, o aumento médio ponderado chegará a 4,59% e a variação de preços dos medicamentos ficará abaixo da inflação geral.  Em 2012, segundo o Sindusfarma, os medicamentos subiram 4,11% em média, enquanto a inflação geral foi de 5,84%.

 

Fonte:  Paula Laboissière, da Agência Brasil

voltar
20 de março de 2020

GUIA DE PREVENÇÃO SOBRE O CORONAVÍRUS

Continue lendo
20 de março de 2020

Máscaras servem para proteção contra o novo coronavírus?

Continue lendo
18 de março de 2020

Surto de doença por coronavírus (COVID-19): diretrizes para o público

Continue lendo
Ver todas